A HISTÓRIA DO ATRON

Um caminhão forte e amado, que fez história no transporte do Brasil.

No fim dos anos 80, a viagem dos AGL, os "Mercedinhos", chegava ao fim. Após uma brilhante contribuição para o desenvolvimento do Brasil, era a hora de passar o bastão para os novos caminhões com cabine HPN.

Nascia, então, com grande responsabilidade, dado o enorme respeito e admiração dos consumidores pelos caminhões AGL, as séries HPN e HSK (derivação da HPN para extrapesados) e depois a FPN (cabine cara chata), que modernizava toda a gama de caminhões da marca. E, ao longo de sua vida, trouxe muitas inovações tecnológicas.

LS-1935

A HISTÓRIA DO ATRON

Um caminhão forte e amado, que fez história no transporte do Brasil.

No fim dos anos 80, a viagem dos AGL, os "Mercedinhos", chegava ao fim. Após uma brilhante contribuição para o desenvolvimento do Brasil, era a hora de passar o bastão para os novos caminhões com cabine HPN.

Nascia, então, com grande responsabilidade, dado o enorme respeito e admiração dos consumidores pelos caminhões AGL, as séries HPN e HSK (derivação da HPN para extrapesados) e depois a FPN (cabine cara chata), que modernizava toda a gama de caminhões da marca. E, ao longo de sua vida, trouxe muitas inovações tecnológicas.

LS-1935

Esperamos que você curta essa viagem no tempo desde o começo, quando o Atron nem sabia que seria chamado assim.

Um legado deixado pela marca, com tantos caminhões icônicos, que já deixa muitas saudades aos entusiastas e apaixonados por caminhões.

L-1620 6X2

L-1618 – O REI DA DISTRIBUIÇÃO - 1989 a 1995

Nasceu na primeira geração da linha HPN, em 1989. Com uma cabine muito superior ao seu antecessor AGL, rapidamente tornou-se o caminhão mais usado para a distribuição de mercadorias, grandes atacadistas e lojas de varejo. Um sucesso de vendas, com muitos caminhões na ativa até hoje. Apresentou também o icônico OM 366, muito conhecido entre os entusiastas.

L-1418A - DNA MILITAR - 1989 a 2004

Não foi um caminhão criado para comercialização junto aos civis. Nasceu principalmente para atender às Forças Armadas. Um caminhão com tração 4x4, o qual teve sucesso na incorporação em diversas unidades militares no Brasil e no exterior. Hoje são muito concorridos em leilões do exército, por se tratar de caminhões com baixa quilometragem. Colecionadores e entusiastas são seu público atual.

LS-1935 - O GIGANTE DA MERCEDES-BENZ - 1990 a 1997

Aclamado por muitos como um dos melhores cavalos-mecânicos já produzidos pela Mercedes-Benz do Brasil, trazia seu inconfundível ronco com seu propulsor OM447LA, e a introdução do freio TOP BRAKE, sistema que até hoje equipa os caminhões da marca. Além disso, trouxe também o sistema ABS/ASR. Foi o caminhão que criou o termo “teto alto”, aumentando a altura interna da cabine.

Em sua vida, teve duas séries especiais: a NTC STAR, em 1994, em comemoração aos 30 anos na NTC; e a série 800.000, quando a marca atingiu o patamar de 800 mil caminhões produzidos.

LS-1941 - O SUPERTORQUE - 1990 a 1994

O caminhão premium da linha HPN foi o top da marca da estrela, com 410 cavalos e o impressionante torque de 184 mkgf. Um caminhão robusto, o qual foi posto à prova nos mais variados nichos do mercado. Assim como seu irmão 1935 é chamado de “35”, o 1941 é chamado até os dias atuais de “41”.

LS-2635 - REI DO MATO - 1993 a 1999

Concebido com a finalidade de ser um caminhão para exportação, foi submetido a testes em uma operação canavieira brasileira. Com os resultados alcançados, o 6x4 mostrou-se um monstro no trabalho. Em 1993 foi lançado no mercado nacional, conquistando também clientes do setor florestal, onde reinou absoluto.

L-1620 - O MITO - 1996 a 2011

Herdou toda a admiração e o carinho de seu antecessor, o lendário AGL L-1113. Desde o seu lançamento, em 1996, mostrou-se um campeão de vendas e também de títulos. Foi o semipesado mais vendido do País durante 8 anos.

Em 2001, ele passou a sair de fábrica na configuração 6x2, recebendo a designação L-1620 Truck. Em 2005, recebeu a motorização eletrônica. Um caminhão versátil e querido, utilizado desde abastecimentos de Ceasas até a distribuição de grandes atacadistas. Viveu até 2011, quando foi atualizado e recebeu o nome de Atron.

LS-1938 - GERAÇÃO ELETRÔNICA - 1998 a 2005

Foi o primeiro caminhão cavalo-mecânico da Mercedes-Benz com gerenciamento eletrônico no País, em 1998. Caminhão muito procurado até os dias atuais por sua robustez e resistência e, assim como os cavalos anteriores, também é conhecido pelos últimos dígitos, o famoso "38". Em 2000, teve a sua série especial BRASIL 500.

LS-1632 - REI DO CAÇAMBÃO - 1999 a 2002

O LS-1632, fabricado a partir de 1999, ficou marcado como o caminhão de transporte de materiais de construção, pedra e areia. Pedreiras, areeiras e carvoarias utilizavam muito o modelo. Já nessa época ele se tornaria o único representante de cavalos-mecânicos com cabine semiavançada de todo o mercado brasileiro.

L-2324 ATRON - O SUCESSOR DE MITOS - 2012 a 2016

Lançado em 2011, carregou em seu DNA toda a saga dos grandes sucessos da marca no Brasil. Teve uma série especial comemorativa dos 60 anos da marca no Brasil, em 2016, com 60 unidades. Destas, 59 foram vendidas e uma — a última de um caminhão Atron rígido fabricado pela marca e também último representante nesta configuração da indústria brasileira — leiloada!

L-1635 ATRON - 2012 a 2020

Para receber o Bluetech 5 / Proncove 7, a Mercedes-Benz lançou, na Fenatran de 2011, o LS1635 Atron. Último descendente dos cavalos-mecânicos da série HPN. Foi o único veículo bicudo dessa categoria no País, desde 2006. Carregou consigo muitos fãs da marca, uma verdadeira legião de apaixonados por uma história de mais de 60 anos dos caminhões bicudos da marca da estrela no Brasil. Com sua descontinuação este ano, fechou um legado sem igual.

MODELOS

Por mais de 30 anos, o Atron
reinou nos mais diversos segmentos,
com fãs e admiradores fiéis.

Mas a cabine semiavançada foi
perdendo espaço no mercado brasileiro
por questões de legislação até que, em 2020,
o último dos HPNs foi produzido.

Não foi uma decisão fácil para nós.
Um caminhão amado e querido por todos,
assim como era para a Mercedes-Benz.

Um veículo que ajudou a construir o Brasil e que
agora passa o bastão para os seus sucessores.

Muito obrigado, Atron!

CADA REGISTRO CONTA UM POUCO DESSA HISTÓRIA.

Diversos modelos da Transportadora Tazay

L-1935 série
NTC Star

LS-1935 da Rodoviário Michelon

LS-1941 do Sr. Honorato Fanti

Atron L-2324: O último dos rígidos

LS-1938 da Transneves

LS-1632
da Tazay

Atron LS-1635
Dario Magre

Em breve as últimas 12 unidades disponíveis para venda. Aguarde!

A PRODUÇÃO DA ÚLTIMA UNIDADE

CONHEÇA HISTÓRIAS
MARCANTES COM O ATRON.

Aguarde... Carregando o vídeo

Dsqui Pontes - historiador do transporte rodoviário brasileiro

Aguarde... Carregando o vídeo

Claudio Berti Jr. - Proprietário de uma 1418

Aguarde... Carregando o vídeo

João Moita – Embaixador das estradas

Aguarde... Carregando o vídeo

Gilberto Perrella - Gerente Revisão e Liberação Final de Caminhões

Aguarde... Carregando o vídeo

Ronaldo Lopes – Designer

 

Conheça histórias marcantes com o Atron.

Edição especial

CLIENTE PEDRO LOGÍSTICA

Igor Dupont, 33 anos.

Empresa fundada há somente um ano. Frota de 70 veículos, 80% MB. Transporte para o ramo alimentício, com entregas no Sul, Sudeste e um pouco do Nordeste.

“Meu pai, Ido Inácio Dupont, sempre teve uma distribuidora de alimentos, e quando eu era pequeno ele me deixava ajudar. O que ele mais permitia que eu fizesse era lavar os caminhões. Eu amava, porque nessas ocasiões eu podia manobrar. Eu tinha uns 12 anos na época. Ele foi me dando cada vez mais liberdade, mas sempre tinha um funcionário me segurando no colo.

Eu gostava tanto de caminhão que, quando ele ia comprar um novo, me deixava opinar. Fui crescendo e meu sonho passou a ser tirar a carteira de habilitação. Com 19 anos consegui e logo peguei estrada.

Mas nesses anos todos nunca tivemos bicudos. Meu pai sempre dizia que era bonito e que precisávamos ter pelo menos um, mas nunca aconteceu. Até que agora estava em época de renovação de frota, entrei no site da marca e vi a linha de despedida do Atron. Logo pensei: “não posso perder, vai ser agora”.

Então a compra teve muito a ver com essa história, foi a realização de um sonho antigo nosso. Fiquei feliz porque sou muito apaixonado por caminhão. É uma honra ter a oportunidade de comprar uma relíquia dessas”.

Conheça histórias marcantes com o Atron.

Edição especial

CLIENTE LUXAFIT TRANSPORTES

Antônio Francisco Rodrigues, 56 anos

Empresa de Campinas (SP), 27 anos desde a fundação

Antônio trabalhava com uma distribuidora de salgadinhos, até que o transporte se mostrou uma boa oportunidade de negócio. O primeiro veículo da empresa foi uma Fiorino e o segundo, um MB 608 – ambos seminovos. Hoje, a frota é de 250/300 caminhões, sendo 85% MB. Trabalham com importação e exportação, e são especializados em atender à indústria farmacêutica.

“Quando a Mercedes-Benz lançou o primeiro caminhão com gerenciamento eletrônico, eu me apaixonei. Tinha cabine bicuda e me lembro como se fosse hoje. Comprei um 1938 e também um 1620, foram meus primeiros caminhões zero km. Depois disso, tive vários bicudos ao longo dos anos.

Era um caminhão fantástico, tanto que continuamos com a marca até hoje. Quando eu soube do leilão, logo me interessei. Esse Atron não foi comprado para rodar. Ele fica agora num galpão, ao lado de outras relíquias. Tenho uma coleção de carros antigos que costumo exibir para amigos e colegas transportadores.

O Atron Série Especial eu comprei no nome do meu filho, Guilherme, de 23 anos, que sempre foi apaixonado por esse universo. Tenho uma foto com ele em frente a um LS-1938 e essa imagem me marcou muito. Esse presente foi uma forma de homenageá-lo. Espero que daqui a 18 anos ele também realize um sonho como o meu. Não comprei um caminhão, comprei a história”.

Conheça histórias marcantes com o Atron.

Edição especial

CLIENTE - COVRE TRANSPORTES E LOGÍSTICA

Antônio Aparecido Covre, 75 anos.

Diretor-presidente da Covre Transportes e Logística

A Covre Transportes e Logística está no mercado há 51 anos atuando em transporte e operações logísticas de diversos segmentos, como agronegócio, químico, automotivo e alimentos tanto no mercado nacional quanto em comércio exterior. A frota atual da empresa é composta de180 caminhões, sendo 23% MB.

“Nossa empresa é administrada pela segunda geração, eu e meus irmãos, João e Edson. Na década de 1970, conquistamos nossos caminhões zero quilômetro com um 608 D e um 1113 da Mercedes-Benz. Desde então, tivemos todo tipo de Mercedes-Benz e dezenas de bicudos. Os bicudões eram famosos pela resistência, robustez, durabilidade e baixa manutenção. Eram caminhões econômicos e duráveis.

A Covre sempre foi atendida com excelência pela marca, e buscamos renovar periodicamente nossa frota Mercedes-Benz. Atualmente os veículos saem de fábrica com alta tecnologia embarcada, mas essa edição limitada do 1635 na versão de despedida traz uma sensação de nostalgia e reconhecimento que não podíamos perder. Hoje temos uma coleção particular de veículos antigos, que prezam pela conservação da história do transporte no Brasil. A edição Atron Série Especial veio para marcar história e, como somos apaixonados pelo transporte e por veículos, não poderíamos ficar sem esse exemplar”.

Conheça histórias marcantes com o Atron.

Edição especial

CLIENTE - GRE TRANSPORTES

Santo Mezadre, 62 anos.

Diretor-geral. Empresa localizada em Anchieta (ES).

Comecei no ramo de transporte em 1983, com um Mercedes-Benz 1113, que era “a máquina” da época. Sempre gostei dos bicudos, mas em 1998 tive um caminhão roubado, sem seguro, e precisei vender minha casa para cobrir o financiamento. Foi um período muito difícil e, por conta disso, fiquei alguns anos afastado do transporte. Mas depois de um tempo voltei à minha paixão – e sempre com os bicudos. Fico até emocionado por ver que, após tantos desafios, hoje tenho 40 caminhões na frota, sendo 20 Atron.

Lembro que, quando comprei os primeiros modelos da linha, o vendedor na época me falou que o caminhão chegaria a 1 milhão de quilômetros, mas não botei fé. Hoje tenho Atron com 12 anos de uso, mais de 1 milhão de quilômetros rodados, sem nunca precisar mexer no motor. É um caminhão com motor potente, que aguenta peso, tem baixo consumo e não dá manutenção. Sou fascinado. Para o setor em que eu atuo, de mineração, o Atron também é ideal por conta da altura da cabina, que permite que o veículo circule sem problemas em meio aos equipamentos da usina.

Os novos Atron Série Especial vão se unir aos outros no trabalho – coloquei 3º eixo nos dois e implementei com basculante. Sei que a modernidade vem e novos caminhões chegam com bastante tecnologia, mas fico muito feliz por poder aproveitar mais alguns anos com os meus bicudos.

VEJA COMO AS INOVAÇÕES QUE ATRON TROUXE VÃO CONTINUAR NAS ESTRADAS.

A história de nossas estradas pode ser dividida antes e depois do Atron. O freio TOP BRAKE, ABS/ASR, a cabine teto alto e muitas inovações chegaram aos caminhões brasileiros pelo nosso bicudo. Inovações que vão seguir na pista através de outros modelos que vão levar adiante todo esse legado, como o Axor — um caminhão resistente, com baixo custo operacional e muito conforto.

Axor 2036

Axor 2536

O ATRON FEZ PARTE DA SUA HISTÓRIA?
CONTE PRA GENTE

O ATRON FEZ PARTE DA SUA HISTÓRIA?
CONTE PRA GENTE

  • Link do Youtube (ex: https://www.youtube.com/watch?v=1zxw72fGflk)
  •  
Clique aqui para abrir o álbum

Nós utilizamos cookies

Queremos melhorar sua experiência de navegação em nosso site. Ao continuar a utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Para mais informações, por favor veja nossa Declaração de Privacidade.

OK